Uma professora cubana mostra aos alunos um retrato do presidente Bush e pergunta à turma:

— De quem é esse retrato?

Silêncio absoluto.

— Eu vou ajudar-vos um pouquinho. É por culpa desse senhor que nós estamos na miséria a passar fome.

— Ah, professora! É que sem a barba e o uniforme não dava para reconhecer!


Fidel está a dar um dos seus famosos discursos:

— E a partir de agora teremos de fazer mais sacrifícios!

— Trabalharemos o dobro! — diz alguém na multidão.

— E teremos de entender que haverá menos alimentos!

— Trabalharemos o triplo! — diz a mesma voz.

— E as dificuldades vão aumentar! — continua Fidel.

— Trabalharemos o quádruplo!

Aí o Fidel pergunta ao chefe de segurança:

— Quem é esse sujeito que vai trabalhar tanto?

— O coveiro, mi comandante.


O povo cubano estava todo reunido numa apresentação pública com o ditador, e o seu assessor olhava para Fidel, virava-se para o povo e dizia:

— Mira, pueblo de Cuba! Acá está Fidel! Fidel no tiene la barba de Cristo?

E o povo:

— La tiene!

— Fidel no tiene los pelos de Cristo?

— Los tiene!

— Fidel no tiene lo ojos de Cristo?

— Los tiene!

Um bêbado então berra do meio da turba:

— ENTONCES, POR QUE NO CRUCIFICAR-LO?


Fidel sofre um enfarte, e a família o leva ao hospital.

O médico diz:

— Não há esperança!

O irmão pergunta:

— Ele vai morrer?

— Não. Vai continuar vivo.


— Sabia que Adão e Eva eram cubanos?

— Porque diz isso?

— Não tinham roupas, andavam descalços, não podiam comer maçã e ouviam dizer que estavam num paraíso.


Fidel vai a um centro espírita e, na sessão, consegue conversar com a mãe morta:

— Mãe, no próximo ano eu ainda vou estar no poder?

— Sim, meu filho, vai.

— E o povo vai estar comigo?

— Não. Vai estar comigo.


O governo revolucionário vai tomar todas as providências para que «nenhum cubano vá para a cama sem comer».

Vai recolher todas as camas.


Um surdo-mudo chega a um bar, passa a mão sobre uma suposta barba e passa o dedo pelo pescoço, como se estivesse a ser degolado.

O empregado serve-lhe uma cuba-libre.


— Qual o país mais próximo do inferno?

— Cuba.

— Não, o Haiti. Cuba é o inferno.


O pai cubano pergunta para o seu filho pequeno:

— O que você quer ser quando crescer?

— Estrangeiro, papá!